Odontologia para bebês


A atuação precoce na cavidade bucal do recém-nascido é fundamental para o bom desenvolvimento de hábitos saudáveis. A idéia de uma atenção mais cedo surgiu a partir das dificuldades encontradas pelos cirurgiões-dentistas para se baixar o índice de doenças bucais em crianças. A prevenção começa com o aleitamento materno, pois além das vantagens sob o ponto de vista emocional, imunológico, nutricional, etc, ele também é importante sob o ponto de vista odontológico, uma vez que o bebê nasce com a mandíbula para trás e o ato de amamentar irá proporcionar o avanço mandibular e consequentemente o correto desenvolvimento da arcada e dos dentes de leite. A amamentação permiti que o bebê respire pelo nariz evitando a má oclusão e o ressecamento das gengivas quando ocorre respiração pela boca. O movimento de ordenha no peito é completamente diferente e mais favorável para a criança do que é realizado com a mamadeira promovendo o correto desenvolvimento das funções de mastigação, deglutição, fonação e respiração. A criança amamentada no peito sacia a sua necessidade de sucção, característica da fase oral, tendo menor chance de desenvolver hábitos deletérios que prejudicam a oclusão, como chupar o dedo ou bico. Até 6 meses de idade a amamentação deve ser exclusiva no peito pois o leite materno é suficiente para suprir todas as necessidades físicas e nutritivas do bebê nessa idade. Após essa idade é hora de iniciar o desmane, retirando a amamentação noturna. O bebê experimenta alimentos pastosos e aprende a mastigar. O ideal é passar do seio para copos modificados. A mamadeira deve ser evitada a todo custo, devido aos problemas de má oclusão e às carie de mamadeiras.
Chupetas e mamadeiras devem ser usadas?
O fato da mulher está grávida já é motivo para se presentear com chupetas e mamadeiras. Estes, símbolos aparentemente inocentes da infância tem uma influência cultural muito forte, são bem aceitos e acessíveis à toda população.
A qualquer choro é oferecido uma chupeta sem ao menos conhecer o verdadeiro motivo para tal manifestação e sua real solução. Na maioria das vezes, o uso é para satisfazer às mães ao invés das crianças. A mãe dever ser orientada para só oferecer a chupeta à criança se notar que ela sente falta, fica irritada, ansiosa ou até mesmo procura outras formas para a sucção, como por exemplo, o uso do dedo.
A utilização indiscriminada, freqüente e duradoura das chupetas e mamadeiras devem ser evitadas. A mudança de atitude dos pais é passo fundamental para estabelecermos, o mais precocemente possível, hábitos favoráveis à saúde bucal do seu filho.
Portanto, lembre sempre dessas dicas:
- Toda criança amamentada até 6 meses de idade no seio materno não necessitam de chupetas e mamadeiras;
- O correto é passar do seio para os copos modificados;
- O uso de mamadeiras noturnas, com açúcar e sem higienização pode provocar à cárie de mamadeira;
- A mamadeira pode estimular a respiração bucal e gerar má oclusão e deglutição atípica;
- Caso a criança utilize chupetas faça-o de uso adequado, ou seja, escolha chupetas ortodônticas e do tamanho adequado para a idade, não deixe o bico pendurado na roupa da criança ou em seu pescoço, e nem amarre fraldas ou objetos pesados nas chupetas, não adoçar a chupetas, associe o bico na cama, bico é só na hora de ir dormir e durante a noite, quando a criança para de sugar, o bico deve ser retirado e fechado à boca, para evitar a respiração bucal e a má oclusão, caso a chupeta seja utilizada no período do dia, faça exercícios com a mesma para estimular a sucção, não leve a chupeta quando for passear pois a criança terá muitas formas para se distrai e divertir e com o final da fase oral com 2 anos de idade o bico deve ser removido. Pais, cuidem do sorriso de seu filho!