Meu nome é Mariana Groenner. Tenho 32 anos e sou jornalista. Nasci com Tetralogia de Fallot, uma doença congênita do coração. Fui operada aos 2 anos de idade pelo doutor Sergio Almeida, no Hospital Beneficência Portuguesa, em São Paulo. Vivi os últimos 30 anos como uma pessoa normal. Nuca senti nada. Nem dor, arritmia ou dificuldade respiratória. Até o dia 26 de outubro do ano passado, quando passei mal e fui atendida no pronto socorro do Hospital Biocor, em Belo Horizonte. Depois de muitos exames realizados pela equipe da doutora Cristiane Nunes Martins ficou constatado que teria fazer uma cirurgia para a troca da válvula pulmonar. Fui operada no dia primeiro de novembro de 2010 pelo doutor Fantini, sob os cuidados da doutora Cristiane. Desde então me tornei uma pessoa mais saudável. Como parte do pós-operatório, trouxe o exercício físico para a minha vida: frequento, três vezes por semana, a academia de reabilitação cardíaca. Também por recomendação da doutora Cristiane, agora trato dos meus problemas existenciais com a doutora Alexandra, psicóloga. Tenho todo o suporte da equipe e sou sempre atendida com muito carinho por todos: Fantini, Max, Cristiane, Alexandra, Gustavo, Wilma e Érica. Pessoas que estão me ajudando, aos poucos a virar esta página, afinal, quando disseram que teria que operar, entrei em pânico. Tive medo de não dar certo, mas os cuidados em sanar todas as minhas dúvidas e a atenção a mim dispensada, antes e depois da cirurgia, foram fundamentais para a superação desta etapa. Hoje tenho no peito uma “marca de guerra” da qual muito me orgulho e a certeza de que meu coração está em boas mãos.

Mariana Groenner