Meu nome é Samuel e nasci no dia 26 de junho de 1989 na cidade de Dom Silvério/MG. Poucos dias depois do meu nascimento foi diagnosticada em mim uma mal-formação cardíaca e, por isso, durante minha infância e minha adolescência me acostumei às visitas rotineiras ao consultório médico e ao hospital. Nesse período fui submetido a cirurgias e outros procedimentos que ao longo do tempo me garantiram qualidade de vida e influenciaram profundamente no meu modo de pensar e de experimentar o mundo.
Ao total foram seis cirurgias, sendo a primeira ainda em 1989, aos dois meses de vida, e a última no ano de 2006, já aos dezesseis anos. Eu e minha família fomos a todo instante sustentados pela fé. Quantas lágrimas regaram esta caminhada e quantos sorrisos colhemos hoje!
Gostaria de relatar um pouco do ocorrido no ano de 2005, quando minha saúde piorava a cada mês. Naquela época minhas unhas e meus lábios eram roxos, havia dificuldade em respirar e um cansaço intenso; precisava dormir cerca de 10 horas por dia para conseguir fazer atividades cotidianas, como ir à escola (que, aliás, jamais deixei de lado), tamanha era a fraqueza do meu organismo. O medicamento do qual fazia uso exigia que eu me submetesse a exames de sangue (realizados somente em outra cidade) a cada duas semanas. Em maio daquele mesmo ano fui submetido à grande cirurgia que transformou minha vida. Lembro-me do momento em que, ainda no CETIPE (Centro de Tratamento Intensivo Pediátrico), vi os meus lábios rosados pela primeira vez na vida...
Ao total foram 21 dias de internação, com direito a pneumonia e a derrames pleurais. Graças Àquele que nos ama muito, consegui superar todas as dificuldades, mas confesso que tudo teria sido ainda mais difícil não fosse o amor da minha família, o carinho das pessoas que tanto rezaram pela minha recuperação e a dedicação, a competência e a humanidade da equipe da Cardiopediatria do Hospital Biocor, coordenada pelos Drs. Max Lopes e Cristiane Martins, que me acompanha desde 1997. A todos estes agradeço imensamente e rogo a Deus por suas vidas!
Ainda faço uso de medicamentos e preciso ir semestralmente ao consultório médico, mas isso de forma alguma impede que eu tenha uma vida absolutamente normal, como à de qualquer jovem da minha idade. Atualmente não moro com os meus pais por causa dos meus estudos. Sou aluno do curso de Medicina da Universidade Federal de Viçosa (UFV).
Enfim, posso dizer que sou, de fato, muito feliz! Escrevo estas palavras na esperança de que a minha história possa fazer diferença na vida das pessoas e ajude aos que passam por momentos semelhantes para que não percam a alegria e jamais desistam de si próprios e daqueles a quem amam...

Samuel Henrique Vieira Oliveira